Cyborg defende título contra Holm, no maior desafio de sua carreira no MMA

0

Por Evelyn Rodrigues, Marcelo Barone e Zeca Azevedo, Las Vegas, EUA

 

Em dezembro de 2016, Amanda Nunes foi a primeira campeã brasileira a liderar o último card do ano do UFC, em Las Vegas, nos EUA. O duelo marcava o retorno de Ronda Rousey à organização, cerca de um ano após a ex-judoca ter perdido a invencibilidade no MMA para Holly Holm. Na época, Amanda não tomou conhecimento de Ronda, e despachou a americana com um belo nocaute no round inicial. Neste sábado, Cris Cyborg, campeã do peso-pena, defende o posto pela primeira vez no evento que encerra o calendário do Ultimate em 2017. A curitibana tem pela frente a ex-campeã peso-galo do UFC, Holly Holm, que ganhou fama no esporte ao se tornar algoz de Rousey, em 2015.

Sem Ronda no Ultimate, a organização carece de uma grande estrela feminina. Holm teve várias oportunidades de conquistar o posto, mas não conseguiu aproveitá-las. Após tomar o cinturão de Rousey, dois anos atrás, a “Filha do Pastor” ganhou fãs e popularidade, mas foi derrotada quatro meses depois, em sua primeira defesa de título, contra Miesha Tate. Após novo revés, dessa vez contra Valentina Shevchenko, Holly subiu para o peso-pena para disputar o cinturão inaugural da categoria, em fevereiro passado, mas acabou superada por Germaine de Randamie. De volta ao peso-galo, venceu Bethe Correia, em junho, e agora terá nova chance pelo título da divisão de cima (a segunda, apenas em 2017).

Justamente por isso, Cyborg é de longe a lutadora que mais tem potencial para assumir o posto vago de Ronda em termos de popularidade. Invicta na carreira há 12 anos, Cris perdeu apenas em sua estreia no MMA, em 2005. De lá para cá foram 18 vitórias – 16 por nocaute. Não é à toa que a brasileira é considerada a maior lutadora de todos os tempos. Dona de mãos poderosas, ela é implacável no ataque. Fareja o medo das oponentes com a mesma eficácia com que desfere os golpes que costumam levar as rivais à lona.

Cris, no entanto, nunca lutou sob tantos holofotes. É bem verdade que ela derrotou Gina Carano na primeira luta feminina de grande destaque no esporte há oito anos. A brasileira conquistou o cinturão peso-galo do Invicta FC (organização de lutas exclusivamente femininas) em 2013 e fez três defesas bem-sucedidas, antes de migrar para o UFC. Neste sábado, ela terá pela frente a adversária mais difícil de sua carreira. Não tanto pela carreira de Holly no MMA, mas pela experiência da americana na trocação. Ex-campeã de boxe em três categorias de peso diferentes, Holm também colecionou títulos no kickboxing. É conhecida por atuar no contra-ataque e por se movimentar muito dentro do octógono.

– A experiência (dela merece atenção), a Holly tem bastante lutas de boxe, e tem o jogo de perna em que ela corre bastante, então acho que essa luta vai ser o momento de ter mais paciência. Na luta passada mostrei um pouco mais de paciência, você vai criando mais experiência. Sou faixa-marrom de jiu-jítsu, tenho wrestling também… Se tiver oportunidade de levar para o chão e finalizar, quem sabe pode ser minha primeira finalização? Se tiver oportunidade de nocautear, vou tentar também. Tenho cinco rounds para fazer isso. Acho que é uma grande adversária para mim. Espero que ela não corra, que venha para o jogo para não ficar uma luta chata – declarou Cris durante a “Fight Week”, valorizando a estratégia para garantir a vitória.

Cyborg: Cyborg:

Cyborg: “Se tiver oportunidade de levar para o chão e finalizar, quem sabe pode ser minha primeira finalização? ” (Foto: Evelyn Rodrigues)

A brasileira também já pediu aos fãs para não ficarem chateados, caso o duelo dure 25 minutos.

– Vou dar meu máximo, com certeza vou continuar buscando o nocaute como sempre fiz. Mas se demorar cinco minutos ou cinco rounds, não fiquem bravos comigo (risos).

Holm, por sua vez, está mais confiante do que nunca e espera conseguir chocar o mundo pela segunda vez, em um intervalo de dois anos.

– A Holly é 13 vezes campeã mundial de boxe, já ganhou diversos títulos mundiais no kickboxing, venceu a Ronda Rousey, se ela vencer a Cyborg, como você pode negar que ela será a maior lutadora que já pisou nesse mundo ? – declarou o presidente do UFC, Dana White, durante a pesagem desta sexta-feira, causando ainda mais expectativa na luta principal deste sábado.

Desafiante ao cinturão dos leves pode sair de Nurmagomedov x Barboza

Khabib Nurmagomedov e Edson Barboza disputam o posto de próximo desafiante ao cinturão dos leves (Foto: Evelyn Rodrigues)Khabib Nurmagomedov e Edson Barboza disputam o posto de próximo desafiante ao cinturão dos leves (Foto: Evelyn Rodrigues)

Khabib Nurmagomedov e Edson Barboza disputam o posto de próximo desafiante ao cinturão dos leves (Foto: Evelyn Rodrigues)

Outros dois brasileiros integram o card do UFC 219. Na co-luta principal, Edson Barboza terá a difícil missão de encerrar a invencibilidade de Khabib Nurmagomedov, que nunca perdeu em 24 lutas. O russo já declarou que Edson não conseguirá aguentar seu ritmo e seu estilo de andar sempre pra frente.

– Meu estilo de luta é ruim para ele. O Edson não gosta de quem anda pra frente e é o que sempre faço. Eu tento pegar as pessoas no cage e não será diferente. Tento pegar no wrestling, no grappling, na trocação, em todas as áreas, como uma águia faminta. Esse é o meu plano – disparou durante a semana.

Já o brasileiro está mais confiante do que nunca que passará intacto pelo desafio para conseguir a tão aguardada revanche contra o agora campeão interino dos leves, Tony Ferguson.

– Vocês podem esperar o melhor Edson Barboza que já pisou no octógono. Estou treinando demais, sei que agora é a minha hora, estou pronto para ser campeão do UFC e vocês vão ver – garantiu o atleta de Nova Friburgo, que tem 19 vitórias e quatro derrotas na carreira.

O presidente do UFC, Dana White, afirmou que o vencedor do combate tem grandes chances de ser o próximo desafiante ao cinturão dos leves (dependendo, claro, de quando Conor McGregor, dono do título linear, voltará a lutar).

Encerrando a participação brasileira neste sábado, Matheus Nicolau enfrenta o havaiano Louis Smolka no card preliminar, pelo peso-mosca. O brasileiro volta ao octógono depois de cumprir um ano de suspensão após testar positivo em um exame antidoping fora do período de competição. Ele vem de sequência de cinco vitórias, sendo duas no UFC. Já Smolka vive má fase: perdeu três lutas seguidas e está a um passo de perder o emprego na organização.

O Combate transmite o UFC 219 ao vivo, na íntegra e com exclusividade. O Combate.com transmitirá as duas primeiras lutas do card preliminar em vídeo e o restante do evento em Tempo Real.

UFC 219
30 de dezembro, em Las Vegas (EUA)
CARD PRINCIPAL (a partir de 1h, horário de Brasília):
Peso-pena: Cris Cyborg x Holly Holm
Peso-leve: Khabib Nurmagomedov x Edson Barboza
Peso-leve: Dan Hooker x Marc Diakiese
Peso-palha: Cynthia Calvillo x Carla Esparza
Peso-meio-médio: Carlos Condit x Neil Magny
CARD PRELIMINAR (a partir de 22h, horário de Brasília):
Peso-meio-pesado: Khalil Rountree x Michal Oleksiejczuk
Peso-pena: Myles Jury x Rick Glenn
Peso-mosca: Louis Smolka x Matheus Nicolau
Peso-médio: Marvin Vettori x Omari Akhmedov
Peso-mosca: Tim Elliott x Mark De La Rosa

Assine o Combate e assista ao vivo e com exclusividade a todos os eventos do UFC (Foto: Combate)Assine o Combate e assista ao vivo e com exclusividade a todos os eventos do UFC (Foto: Combate)

Assine o Combate e assista ao vivo e com exclusividade a todos os eventos do UF