Nova etapa de saques deve beneficiar 22,3 mil trabalhadores no MS

2

O Conselho Deliberativo do Fundo de Amparo ao Trabalhador (Codefat) autorizou a prorrogação de pagamento do abono salarial (ano-base 2016), do PIS/Pasep. Com isso, os saques foram retomados desde o dia 26 de julho, com prazo final em 30 dezembro.

Apesar do benefício estar disponível desde julho do ano passado, ainda existem R$ 1,44 bilhões dos R$ 16,5 bilhões destinados aos trabalhadores. Como o valor total não foi sacado até 29 de junho, o prazo se estendeu.

No entanto, é importante destacar que o pagamento do abono salarial referente ao ano de 2017 também começou a ser pago, o que será positivo para quem tem valores referentes aos dois anos acumulados.

EVOLUÇÃO NO MS

Em Mato Grosso do Sul, 92,99%  dos trabalhadores sacaram o benefício referente a 2016, o que corresponde a R$ 213,9 milhões. Contudo, 22,5 mil ainda podem procurar uma agência da Caixa Econômica e realizar o saque.

No cenário nacional, o total de trabalhadores que não buscaram o benefício é de dois milhões, correspondendo a 7,97% do total de pessoas com direito ao recurso. O valor ainda disponível chega a R$ 1,44 bilhão. Este é o terceiro ano consecutivo em que ocorre prorrogação. No ano passado, essa mesma medida foi tomada. O estabelecimento de novo prazo atende um pedido dos representantes dos trabalhadores no Codefat.

O valor que cada trabalhador tem para sacar depende de quanto tempo ele trabalhou formalmente em 2016. Quem trabalhou o ano todo recebe o valor cheio, que equivale a um salário mínimo (R$ 954). Quem trabalhou por apenas 30 dias recebe o valor mínimo, que é R$ 80.

BENEFICIADOS

Tem direito ao abono salarial ano-base 2016 quem estava inscrito no PIS/Pasep há pelo menos cinco anos; trabalhou formalmente por pelo menos 30 dias em 2016 com remuneração mensal média de até dois salários mínimos; e teve seus dados informados corretamente pelo empregador na Relação Anual de Informações Sociais (Rais).

Os trabalhadores da iniciativa privada devem procurar a Caixa Econômica. A consulta pode ser feita pessoalmente, pela internet ou no telefone 0800-726 02 07. Para os servidores públicos, a referência é o Banco do  Brasil, que também fornece informações pessoalmente, pela internet e pelo telefone 0800-729 00 01.